#CHORÃO


Image

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Chora um, choram muitos, chora ‘nobody’*?!

Chora a arte, chora o improviso, choram os adolescentes rockeiros de ontem e de hoje. Chora uma geração, choram o Chorão.Image

Choram a angústia (e a dúvida) de Cazuza – mais um herói morto de overdose? (um choro da DOSE que o OVER), choram seus “dias de luta e de glória“¹. Choram a curiosidade de saber se ele vai “usar sapato“² igual “gente chique“², naquele paletó de madeira. Choram como se as lágrimas o ressuscitassem.

Choram seu talento, seu riso malandro, seu jeito santista rockeirorapper que agora foi ‘lacrimejado pela íris do mundo’**. Choramos o aprendizado da responsa de “às vezes fazer o que queremos, às vezes o que temos que fazer³“.

Choram sua utopia letrista, chorei. Choram o desejo de que ele veja mesmo “que azul é a cor da parede da Casa de Deus” (será?! Tomara!). Choramos restar agora só seu videotape. Choramos seu legado Charlie***.

Choramos todos, Chorão não pode chorar mais. Cada um que chora presta sua homenagem.

Chorei o Chorão, chorei o Alexandre Magno Abrão [1970 – 2013].

Thiago Lima

SP. 06-mar-2013

_____________________________________________________________________________

NOTAS:

* – grifo do autor, tradução: “ninguém”.

** – grifo do autor, eufemismo.

*** – Charlie, referência à sua marca e banda Charlie Brown Jr.

¹ – música: Dias de lutas, dias de glória – Charlie Brown Jr.

² – música: Não uso sapato – Charlie Brown Jr.

³ – música: Lugar ao sol – Charlie Brown Jr.

Anúncios

Deixe uma resposta, opine.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s